terça-feira, 27 de julho de 2010

Você cria?



Sim... Espero que esta seja a resposta de vocês. Esse post fugirá um pouco da regra que costumo usar no blog, pois discutirei algo que fará você refletir sobre o que você faz com o seu precioso tempo, que está cada vez mais precioso, valendo mais do que diamante no mercado. Pense consigo mesmo. Isso, faça esse exercício: Quanto tempo você gasta usando a internet? Ou melhor, é produtivo esse tempo? Você faz programas de TV, rádio, curta-metragens, desenha, escreve em blogs, discute assuntos de sua preferência, ou melhor, procura criar?

Hoje (nota do editor: há séculos), eu estava lendo uma matéria no G1 sobre como nós podemos nos queimar escrevendo coisas sem sentido no Twitter, blog, Orkut, facebook, youtube entre outras formas de se expressar na internet. Pensei no que eu faço. Será que vale a pena? Claro que sim, o problema não está nos sites da internet e sim em como nós os usamos. A internet é muito recente na vida do ser humano, e evolui numa velocidade tão incrível que até o Schumacher comeria poeira se fosse apostar corrida. E como é uma novidade para o homem ele a usa de forma um pouco inconsequente, não estou me limitando a “eu e você”, estou falando de modo geral. Pense na primeira vez que escreveu no blog ou adicionou uma comunidade no Orkut? Eu tenho várias comunidades idiotas como “Paixões: comer, meus amigos (como uma vírgula faz a diferença)” entre tantas outras comunidades que não acrescentam absolutamente nada, mas lógico que sempre adiciono as que não têm posts relacionados a preconceitos de qualquer forma. Bem, você nem deve lembrar como começou seu blog, não é mesmo? Eu lembro que queria escrever só sobre videogames e mais nada, depois comecei a falar besteiras, em seguida comecei a me interessar por filosofia e assim foi...

As pessoas acabam usando a tecnologia para mostrar ao mundo quem são. Algumas pessoas se mostram até demais, mostram momentos que não deveriam mostrar (eu não estou falando de um tombo ou ser fotografado de boca aberta enquanto comia uma pizza) e sim suas intimidades. Talvez pelo fato do sexo ser algo que ninguém deveria ver e quando é exibido na internet ou em filmes gera a curiosidade natural e é visto demasiadamente. E é essa necessidade de se mostrar ao mundo que pega. Isso é inerente ao ser humano, não tem jeito. Todos nós queremos aparecer de uma forma ou de outra, seja escrevendo num blog, uma foto no Orkut, uma frase no twitter... O problema real é saber até que ponto a exposição é sadia ou vergonhosa. Devemos ter noção de nossos limites. Mas isso é só um dos pontos que quero abordar nesse post. Eu estava vendo um vídeo muito interessante chamado Did you know?. Em bom português significa: Você sabia? Não tem nenhuma pergunta idiota como: você sabia que a formiga não dorme? Você sabia que é a leoa quem caça e o leão é um quase cafetão? O vídeo mostra argumentos interessantes e é excelente, nos faz pensar sobre nosso papel na revolução da informação ou revolução da velocidade da informação como prefiro chamar.

Nesse vídeo vemos como a nossa vida é louca e nem nos damos conta da mudança. Às vezes a mudança é tão veloz que nem nos dá tempo para pensar o suficiente e digeri-la. Como a nossa tecnologia se ultrapassa tão rápido, como os novos empregos estão aí, mas não há ninguém para ocupá-los porque não há especialização ainda, como temos que chegar a soluções para problemas que não existiam há 5 anos, como a sociologia consegue explicar diversos fenômenos que ocorrem no mundo, e como a educação deve ser mais valorizada. O vídeo é um verdadeiro “haduken” na boca do estômago de qualquer um. E falando de educação, o “Did you know?” mostra como os professores deveriam usar a tecnologia a seu favor, mas não vou me alongar nisso porque, infelizmente, não é a realidade brasileira.

E para você que sabe ler, escreve, tem capacidade de compreensão, tem acesso à internet, eu lhe dou os parabéns, pois você faz parte da elite brasileira. Mas você usa todas essas faculdades para criar algo? Usa toda a sua inteligência em quê? Você criou um blog, um vídeo, um livro, uma escultura, algo que faça as pessoas lembrarem de você por alguma razão? Se não, corra e faça agora, o tempo não volta, faça o que tiver que fazer nesse momento para que o mundo lhe veja, da melhor forma, é claro.




PS: Alguns dados podem ser exagero, mas a ideia é boa.


Texto originalmente publicado no seguinte link:

Nenhum comentário: